UFRJ BUSCA CASOS DE TRM PARA PESQUISA

O Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ busca comunicação de casos de TRM para potencial inclusão em estudo clínico. O laboratório LBMEC do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ está coordenando um estudo clínico para avaliar a segurança e eficácia de uma nova droga, denominada polilaminina, no tratamento de lesões medulares traumáticas na fase super aguda, até 3 dias do trauma. O estudo está autorizado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) sob o número de registro CAAE 48791615.8.0000.5279. Os pacientes incluídos deverão apresentar lesão medular a partir de C5, inclusive, e ter sido diagnosticados com lesão neurológica completa (AIS A). O tratamento consiste na injeção intramedular da droga em dose única durante o procedimento cirúrgico preconizado para o caso, independentemente da relação com o estudo.

Os hospitais âncora do estudo são o Hospital Municipal Souza Aguiar e o Hospital Estadual Azevedo Lima, mas o tratamento poderá ser realizado em qualquer outra unidade hospitalar do estado do Rio de Janeiro mediante concordância da direção da unidade. Antes da inclusão, os potenciais participantes terão seus exames de imagem avaliados pela equipe do estudo, além de terem o diagnóstico de lesão neurológica AISA confirmada por mais dois avaliadores da equipe. O acompanhamento dos participantes será feito por um período de 12 meses através de exame clínico e avaliação neurológica, exames de ressonância magnética, eletroneuromiografia e potencial evocado motor e somatossensitivo e questionários de independência e qualidade de vida. Serão oferecidas 200 horas de tratamento de reabilitação no período.

Critérios de inclusão:
1) Idade entre 18 e 60 anos
2) Diagnóstico de lesão neurológica completa (AIS A)
3) Traumatismo raquimedular envolvendo a medula cervical entre C4 e C7 ou torácica, com indicação de cirurgia de descompressão e/ou fixação da coluna vertebral.

Critérios de exclusão:
1) Presença de trauma encefálico grave.
2) Não haver indicação de cirurgia da coluna vertebral.
3) Pacientes que necessitem de suporte respiratório mecânico permanente.
4) Pacientes politraumatizados, com complicações hemorrágicas e que demandem outras cirurgias.

Dr. Marco Aurélio Lima